Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

Vulgar

 

 

1

Não havia memória de um dia, naquela magra vila, em que não tivesse sido pronunciado o seu nome.

Anos e anos de peripécias, envolviam-na numa espécie de halo mítico, que tornava a sua, uma história em tudo igual a tantas outras impressas nas páginas de um qualquer livro de lendas antigas.

O seu nascimento, as escadas íngremes da infância, os amores e desamores da adolescência, a queda na vida adulta. Tudo se conjugava num único verbo, singular e solitário de engrandecimentos de boca em boca, e vazio dentro da casa onde morava, ainda.

Ouvia contar de si, como quem ouve o relato de um filme que acabou de passar na televisão. Via-se sempre no papel da heroína , forte, bela, sobrevivente. Via-se sempre assim por fora dela, por fora de si mesma.

Os pontos acrescentados à teia de eventos, eram tantos e tão espessos , que não havia olhares que resistissem à sua passagem pelos passeios empedrados. As vozes calavam por instantes os seus infortúnios , e a pena que as suas expressões debotavam, feria-a fundo, no corpo tolhido pela força dos elementos. Ou então não. Feria-a no sítio onde antes tinha acalentado um pequeno ego, que cresceu depressa até sufocar de tanto ar, até arder como uma Fénix que se zangou com os homens e se recusou a renascer.

2

Era ela Catarina das Graças. Não era uma velha, também não era nova. Era uma mulher que tinha a idade exacta dos seus dias, e os seus dias eram do tamanho da sua existência, e a sua existência pairava, mais do que era.

Nascera com a morte da mãe. O primeiro grito de uma foi o último da outra. Uma só alma, que abandona um corpo,  porque se enamora de outro.

Cresceu na casa do pai, mas fora do colo dele.

O pai era um homem duro e pouco dado a afectos, que nunca conseguira lavar da boca o sabor amargo do dia em que a filha chegara a este mundo de Deus.

Trabalhava a terra com avidez, e se algum calor sobrara em si, era a ela que o dedicava. A terra era a sua única amante, que o esgotava de toques e o esvaziava de forças. A terra sugava-lhe o suor do corpo e a vida do olhar.

Catarina cresceu na terra, livre como os coelhos, a correr pelos campos, acossada pelas raposas e outros bichos das sombras. Comia flores e mordia ervas frescas, nadava nas ribeiras que corriam depressa nos meses de Primavera, por entre os baixios do terreno, e dormia sestas coberta apenas com o calor do verão ou o frio do Inverno. Era do campo, como outros são da lua. Não sabia outra fala, não percebia outra vida que não fosse essa.

 

3

Entre ventanias e trovoadas, Catarina foi crescendo à margem das gentes, à reveria de regras, ao contrário das leis dos homens, que a cada bater de porta, mais se ausentavam da sua presença no mundo.

completados os 6 anos, entrou na escola, e livros dentro foi trilhando caminhos de descoberta. A carteira de pau, sovada e castigada de tabuadas cantadas em coro, abrigava-lhe os primeiros medos. Medo das pessoas que agora lhe apertavam os seus dias, medo das horas contadas com esforço no relógio por cima do quadro preto, medo daquelas paredes pálidas e opacas que  eram o limite do seu campo.

O seu campo tinha ficado lá fora, solto, livre e verde, farto de terra e água e passos de bichos.

Sonhava acordada, e abalada, acordava de sonhos que não o eram.

Um dia de sol morno, logo depois do almoço engolido à pressa debaixo do telheiro da escola primária, cerrou os dentes e calou-se. Abriu os olhos para o mundo com que lhe queriam entulhar a alma, e como uma escolha que se faz por querer, calou-se.

Não é certo o tempo que durou tal situação. Uns falam de dias, outros de meses, os mais audazes arriscam anos.

Enquanto o silêncio não se quebrava por dentro, o burburinho de vozes e sons crescia como cogumelos no tronco de árvores na estação das chuvas.

Havia dedos apontados, murmúrios que eram quase sussurros, segredos expostos, e prosas inventadas com pormenores arrancados pela raiz à laia de dentes inúteis.

Aquela criatura, pouco maior que um cão vadio,  ia assim, tomando conta do ar, das casas e de todos os poros da vila.

 

(continua...brevemente)

Imagem deviantArt

sinto-me:
tags: , ,
Original Zumbido por meldevespas às 14:53
link do post | zumbir | favorito
|
9 comentários:
De Andi a 5 de Novembro de 2007 às 16:32
Achei a história deliciosamente repleta de pormenores gulosos. Vou ficar à espera da continuação :P Gostei igualmente da rapariga, intrigou-me.
Beijinhos.
De canochinha a 5 de Novembro de 2007 às 20:58
Já pensaste em publicar as tuas histórias? É que escreves muito bem! ;)
De Lua de Sol a 6 de Novembro de 2007 às 02:31
Continua??? Hummm...
Tem frases lindíssimas, verdadeiramente deliciosas.
Apetece-me a continuação. Esta tem muito mel...

Beijocas grandes
De Sandra Xanoquita a 6 de Novembro de 2007 às 09:57
Fico à espera do próximo capítulo.... Beijos!
De R.I.P.per a 6 de Novembro de 2007 às 12:59
:O :O :O :O :O

Isto sim é de uma qualidade soberba...

Tenta fantasia pq aposto q o Guillermo del Toro s vai roer :D
De astuto a 7 de Novembro de 2007 às 00:21
História deliciosa! Gosto do cheiro da terra que brota da tua escrita. Catarina das Graças, é dessas pessoas que não se aguentam presas numa sala com um quadro preto!

Continua!!

Cumprimentos.
De weee a 7 de Novembro de 2007 às 14:16
Será por partilharmos o mesmo nome que me revi tão bem em cada pormenor?

Hmmm, não sei, há ali algo...
De goretidias a 7 de Novembro de 2007 às 14:18
Uma bela escrita!
Um beijo e um convite:

http://www.escritartes.com/forum/index.php?referredby=3
De joão palmela a 9 de Novembro de 2007 às 16:21
Amiga Carmo!
A sua escrita, continua sublime, a riqueza de pormenor e a aureola com que os envolve estão a ficar cada vez mais refinados, sem perder a sua principal característica , a ruralidade do discurso, o que lhe confere muita autenticidade. Não a perca!
João Palmela

zumbir

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Constelaçoes

O Sorriso do Parvo

Porque sim

O Cheiro da Chuva

Estória para adormecer .....

Na lama

Memórias de Vento

A solo

Sem fim

Estória para adormecer......

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

tags

todas as tags

online

links

Bee Weather

Click for Evora, Portugal Forecast Get your own free Blogoversary button!
Photobucket


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Vizzzzzzitas

Horazzzzzz

Tente adivinhar palavras relacionadas com a Matemática no Jogo da Forca:


Clique aqui


Custom T-Shirt Generator
blogs SAPO

subscrever feeds