Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2007

Romance de Cordel

Mariazinha levantou-se de supetão, derrubou no seu gesto, o livro de capa castanha que tinha no regaço, e a manta de viagem que lhe cobria os joelhos. O xadrez verde e branco derramou-se no chão, morto pela pressa do impulso.

Correu para a pequena janela da salinha de leitura, que dava para a rua das traseiras da velha casa.

O som metálico da campainha de uma bicicleta a pedais arrancou-a de viagens, e beijos arrebatadores do seu romance de cordel.

Três toques, como era habitual, três toques era a senha para olhar a rua.

Afastou com força as cortinas curtas floridas, e o estampado amarelo torrado encolheu-se todo a um canto da janela, temendo tamanha impetuosidade.

Espreitou , tentou em vão levantar o trinco de ferro da portada, mas a ferrugem acumulada impediu-lhe a vontade. Irritada viu a roda traseira desaparecer na calçada de granito cinzento, que brilhava com a força de um diamante à luz fria do sol de Dezembro.

Baixou os braços, numa fúria contida de desespero e desilusão.

- Agora só amanhã...raio da janela!!! Juro que se não te abrires amanhã, parto-te! Ouviste bem! Parto-te em pedacinhos tão pequenos, que ninguém vai reconhecer neles o vidro de uma janela!

Gritava com a janela. Mas a janela não podia ouvi-la, não podia saber a raiva que crescia na garganta da Mariazinha. Aquelas duas canas que lhe engrossavam o pescoço esganavam-lhe a voz, e tolhiam-lhe a razão.

Voltou para o sofá puído , mas ainda assim de porte nobre, de um veludo adamascado rosa velho, empalidecido pelo dias.

 Agarrou os joelhos com força e permaneceu muito tempo assim, toda dobrada, em cima do cadeirão, como uma almofada decorativa, imóvel, absolutamente imóvel.

Mergulhou numa inércia, que conhecia de outros dias, não se atreveu a levantar a cabeça do conforto das pernas, do calor do abandono, e deixou-se ficar ali, a esvaziar-se aos poucos, da raiva, do desamor, das esperanças de há pouco.

Nos romances de gosto duvidoso, que sorvia de olhos esbugalhados e coração em tempestades tudo era mais fácil, agora, neste preciso momento, ele chegava, jogava a bicicleta com estrondo e descaso no passeio da rua, e arrombava a porta fraca com os seus braços duros e queimados do rigor das estações. Depois em dois passos largos alcançava-a no sofá e levantava-a como uma pena, sem hesitações e com a firmeza de um deus de pedra. Seguiam-se beijos lascivos e trocas molhadas, e acabariam no meio do soalho arrastados por enxurradas de orgasmos...

Abriu os olhos em transe. A salinha continuava ali, na penumbra do estampado amarelo torrado das pequenas cortinas acanhadas, que coavam o tímido entardecer. Ela também. Continuava ali, sozinha , enrolada em si própria, encolhida, o corpo todo em ondas de dor, o peito dormente de mais um dia sem vida.

Apanhou do chão o livro da capa castanha, procurou na amalgama de páginas amarrotadas pela queda, o capitulo que estava a ler quando a campainha a interrompeu. A trama não fazia sentido, e os amores eram pardos, a heroína de cores macilentas e o deus de pedra era apenas pó.

Fechou o livro com força, e como se o quisesse apagar das suas mãos, arremessou-o para bem longe, com o ímpeto de um vento norte.

Sabia bem, que tinha que passar uma noite por cima dela para sentir de novo todo o seu ser domesticado e dócil. O coração debatia-se, algemado pela indiferença, os pulmões ardiam sacudidos por baforadas de areia, o cérebro amortalhado pela certeza do impossível .

- Amanhã...amanhã logo cedo, levanto-me e espero aqui sentada.

Mariazinha adormeceu, embalada em sonhos vazios.

Estava sentada num campo todo relvado de veludo azul noite, alto e farto, atrás de si havia um pomar de macieiras...e as maçãs eram campainhas de bicicleta a pedais, que tocavam sem parar.

Escancarou os olhos num repente, e deixou-se ficar na madrugada do acordar, o olhar fixo no tecto branco, percorreu todos os traços barrocos do centro de gesso esculpido em redor do candeeiro de vidro opaco de um azul leitoso. Analisou cada floreado, cada ponta, cada sequência de ramagens brancas.

-Daqui a pouco...três toques- soltou uma gargalhada, depois outra, e sempre num riso frenético , saiu da cama rodopiando no seu eixo, com um sorriso solto e as mãos rasas de esperança.

O livro de capa castanha, já estava aberto, a manta de viagem tapava os joelhos, e Mariazinha enterrada no velho sofá, mantinha os ouvidos na rua das traseiras.

Ela sabia que não tardava. A hora era aquela, já ouvia o pedalar, o deslizar da corrente oleada, era agora.....três toques!!!

Mariazinha, dum salto, repetiu os movimentos do dia anterior, a janela deixou-se de caprichos, e abriu sem esforço. A rapariga debruçou-se e derramou o sorriso no passeio da rua, mesmo por baixo do parapeito da janela.

O cinzento do granito estava de novo animado pelo brilho de mil estrelas que o sol despejara de manhãzinha, e a bicicleta descia ritmada pela campainha metálica e pelo sorriso franco do ciclista.

No outro lado da rua estava a Clara, encostada à ombreira da porta, como todas as manhãs mal ouvia o sinal do Rui. O Rui, trabalhava na serralharia do beco do Mendes, e todas as manhãs, saia de casa ainda a mastigar o papo-seco com manteiga, saltava para a sua bicicleta e descia a rua ansioso pelo sorriso da namorada, a Clara, era louco por ela!

Todas as manhãs lhe atirava um beijo com a mão, e recebia de volta um sorriso que lhe injectava forças para mais uma jornada de trabalho duro.

Mariazinha recolhia-se. O ciclista nunca reparara nela, nem um bom dia tinham sequer trocado. Ele não imaginava com que ardor uma outra rapariga, que não a sua Clara, sabia de cor a hora, a senha, o som da corrente, os três toques...

Fechou a janelinha pequena, acalmou o coração com carícias e palavras de compreensão, e regressou ao sofá.

 No calor da manta de xadrez verde e branco, deixou-se levar para os braços do seu deus de barro, impresso nas páginas enxovalhadas do romance barato.

 

sinto-me:
tags: , ,
Original Zumbido por meldevespas às 00:06
link do post | zumbir | favorito
|
9 comentários:
De A VER NAVIOS a 5 de Dezembro de 2007 às 21:20
Gostei muito do texto.
É uma bela história.
O pessoal do alentejo é tramado para a escrita.
Pensava eu, que mais para a poesia, mas também na prosa, os créditos não ficam por mãos alheias.
Falo de escritores e poetas populares.
Os profissionais são conhecidos.
Obrigado pelos momentos agradáveis que me proporcionou.
De Eduardo Ramos a 6 de Dezembro de 2007 às 13:44
1ª vez que venho aqui.

Caramba! Mas que tempestade de figuras de estilo. Até ficou zonzo.

Muito bem.
Prefiro escrita mais directa e simples. Só com imagens quando necessárias. Por vezes com tanta imagem chego a perder-me no sentido da estória, mas de vez em quando gosto de variar.
Está visto que vou continuar a passar por aqui...
Se é para ler algo mais de estilo "barroco", este é o lugar ideal.
De meldevespas a 6 de Dezembro de 2007 às 14:39
Gostei muito que tivesse passado por aqui, espero que não seja a primeira e também a última vez ;)

Verdade que é bocadito "retorcida" a minha escrita, mas é o que me sai....deve ser de eu própria também o ser....
De joão Cordeiro a 6 de Dezembro de 2007 às 21:34
Muito rapidamente para agradecer a tua visita e comentário.
És muito atenta ;-)


Beijo
De weee a 7 de Dezembro de 2007 às 10:34
E mais e mais e quero ler mais!!!

Mas eu nunca me canso de ler as tuas histórias e fico aqui e viajar por entre sonhos e realidades!


"...acalmou o coração com carícias e palavras de compreensão, e regressou ao sofá."
De Lua de Sol a 7 de Dezembro de 2007 às 16:40
Eis um excelente exemplo do que gosto na tua escrita: os pequenos nadas que fazem a diferença. O sonho, o pensamento embrulhado na realidade... Estes deliciosos pequenos sentires sempre em paisagens tão pitorescas... Muito aconchegante a manta axadrezada... Aqueceu-me!

Beijocas
De telmy a 7 de Dezembro de 2007 às 23:52
oh, escreves de uma maneira tão simples, sobre coisas tão banais. mas fica tudo de uma forma fantástica!
adoro, adoro, adoro o teu blog. **
De astuto a 8 de Dezembro de 2007 às 16:51
Para variar, não gostei... GOSTEI MUITO!! Há muito que não passava por aqui, tenho estado arredado destas máquinas informáticas...

A história está carregada de recursos de estilo, adoro.
A minha frase preferida é: «Seguiam-se beijos lascivos e trocas molhadas, e acabariam no meio do soalho arrastados por enxurradas de orgasmos...»

A entrevista no blogue do Paulo ficou excelente. Parabéns.

Força! Continua!
De R.I.P.per a 10 de Dezembro de 2007 às 16:18
ai o saudoso amor injenuo

zumbir

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Constelaçoes

O Sorriso do Parvo

Porque sim

O Cheiro da Chuva

Estória para adormecer .....

Na lama

Memórias de Vento

A solo

Sem fim

Estória para adormecer......

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

tags

todas as tags

online

links

Bee Weather

Click for Evora, Portugal Forecast Get your own free Blogoversary button!
Photobucket


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Vizzzzzzitas

Horazzzzzz

Tente adivinhar palavras relacionadas com a Matemática no Jogo da Forca:


Clique aqui


Custom T-Shirt Generator
blogs SAPO

subscrever feeds