Segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

A queimar a vida

 

 

Acendeu um cigarro, e sorveu-o com urgência. Fazia sempre assim quando as recordações começavam a chegar.

Estava sentada numa cadeira. Os braços dobrados pelos cotovelos, apoiados numa mesa redonda. As pernas por debaixo da toalha da mesa que tocava ao de leve no soalho bem encerado. Os livros abertos, forravam a mesa de forma desordenada. Estavam calados. Sempre lhe tinham dito que os livros falavam...mentira crassa! Os livros calam, guardam, envelhecem. Tirou outra passa vigorosa e a brasa incandescente quase lhe queimava a pele dos dedos. Os dedos estavam feitos livros....velhos, amarelentos, calados.

Tinha um casaquinho de caxemira vestido. Era macio, e quente..e ali sentada, era certo, arrefecia depressa. Era cruel aos resfriados. não era preciso muito e lá vinha o martírio do nariz entupido, as dores no corpo, as noites de chá quente com mel e folhas de eucalipto.

Era Agosto.

Mas só lá fora.

Ali na sala, era sempre Novembro.

Tirou um cigarro, da caixinha de prata monogramada, e acendeu-o, aproveitando o borrão do outro ainda em agonia no cinzeiro.

Olhou as folhas quietas na sua frente. Folheou o compêndio de matemática uma e outra vez, sem nexo. Tirou os óculos que repousavam com displicência na ponta do nariz, e pousou-os agora nos papeis mudos.

Há quanto tempo estaria ali?

Não tinha filhos de quem sentir falta, ou marido para chorar...

Então do que se lembrava?

Talvez fosse das vidas dos outros. De todos quantos enfrentavam perigos nas páginas impares de um qualquer livro, e lutavam com monstros inóspitos na capa de um outro, ou faziam amor capítulos a fio. Sempre silenciados na última página...

Ou então a vida dos vizinhos. Via-os todas as manhãs quando saía para comprar o pão. trocavam bons dias formais, gravados em fitas antigas desde há anos e anos...Já ali estava, sentada quando eles casaram. Sorriam um para o outro e olhavam-se de frente, depois só já sorriam, e agora também eles viviam no silêncio dela, sem mais memórias que sorrisos de papel colados em álbuns meramente decorativos. Sorrisos que podiam ser de qualquer um...ou de ninguém.

Recostou-se na cadeira de espaldar alto, e puxou o fumo agora devagar e profundamente.

Sentiu os pulmões estalar de prazer e esboçou um sorriso discreto. Será que eles, os vizinhos, também tinham memórias como ela? Assim, vazias de gente, ausentes, sem cor, sem cheiro.

As suas cheiravam a cigarros fumados com urgência.

Pegou na esferográfica de tinta azul, e escreveu na folha em branco prostrada à sua frente:

As minhas memórias

depois riscou por cima, para voltar a escrever em baixo:

As minhas recordações...

olhou, e decidiu-se por um ponto de exclamação no fim:

As minhas recordações!

Dava mais ênfase à frase, e dava mais peso ao vazio que se lhe seguia.

Seria a tão falada angustia da folha em branco? - agora sorriu com gosto, mas de forma breve...Não, não tinha nada a ver com papel...

Era mesmo a angustia da vida em branco.

O silêncio cresceu para além dela.

Uma vez, um dia,  tivera um amor...recordava-se agora.

Encontraram-se num café...não, não, foi numa esplanada. Era Agosto!..ou Setembro, já não sabia bem. Ele trazia um chapéu preto e fumava um charuto cubano que cheirava a rum com chocolate preto. Ou seria Whisky com cacau? Mas fumava. Disso tinha a certeza!

Ela pediu-lhe lume. Ela tinha uma voz rouca e exalava um fumo adocicado quanto falava.

Caia uma chuva miudinha, e o Inverno insinuava-se como uma mulher da vida...

Mas era Setembro!

Uma vez, um dia ela tivera um amor, uma paixão avassaladora, mas o livro terminara, e finda a leitura, fechara-o e jazia numa estante daquele imenso cemitério de palavras que era a sua sala, a sua casa, a sua vida toda.

Apertou o casaquinho de caxemira delicado com as duas mãos junto ao peito. estava a ficar frio. 

Era Agosto.

Tirou outro cigarro da caixinha monogramada de prata, eternamente aberta, e fumou-o com urgência. 

sinto-me:
Original Zumbido por meldevespas às 17:19
link do post | zumbir | favorito
|
12 comentários:
De Lenore a 25 de Agosto de 2008 às 17:37
:O:O:O
está tão bonitoooooooooooooooooooooo (...) ooo !
gostei muito , mesmo !
não, adorei.
não, amei.
opá, coiso. tá excelenteeeeee !
:):)
beijinho.
De Sara a 26 de Agosto de 2008 às 01:07
Vou zumbir...:)
Está lindo!
Adorei o texto vazio ou cheio do princípio ao fim, mas este parágrafo deliciou-me completamente: "De todos quantos enfrentavam perigos nas páginas impares de um qualquer livro, e lutavam com monstros inóspitos na capa de um outro, ou faziam amor capítulos a fio. Sempre silenciados na última página...".
Continuas com letras de mel, hehe!

Beijocas
De R.I.P.per a 28 de Agosto de 2008 às 10:51
leve como uma pena e com uma tristeza intrínseca(como o outro).

os teus textos têm um travo mt especial e proprio.
inda ha-de vir um d q nao goste

p.s.:já t deitavas à sombra de um chaparro e ganhavas a vida como escritora :)
De meldevespas a 28 de Agosto de 2008 às 11:46
Pronto, pronto, ok...o meu ego está mais que alimentado para muito tempo!
És um querido, obrigado e beijinhos.
De António a 28 de Agosto de 2008 às 12:59
Olá, minha querida!
Um texto magnífico sobre a solidão.
Solidão no passado, no presente e talvez no futuro.
As metáforas e outras figuras cujo nome não sei são estupendas.
Muito bom!
Parabéns!
Continua...

Beijinhos
De A VER NAVIOS a 28 de Agosto de 2008 às 13:58
Pois é, lá me vou repetir: gostei... e muito.
A singeleza da sua escrita é impressionante.
Parabéns,

J. Lopes
De telmy a 29 de Agosto de 2008 às 14:31
oh mel, este foi dos textos que mais gostei :')
também já escrevi um parecido sobre uma pessoa que passava a vida a observar a vida dos outros e confundia as suas memorias com aquilo que vira.
mas pronto, nada que se compare a este texto ^^

beijinho *
De estreladosul a 29 de Agosto de 2008 às 22:05


Bem escrito. Gostei.
A tirar partido da solidão. Só que o antigo amor, puxa para o passado, através do chapéu e do charuto. Lembrou-me o livro do Mario Puzo (O Padrinho).

“Para você o carinho
da minha amizade"

Um lindo fim de semana

Bjinho amigo

Mario Rodrigues
De Jorge Santos a 30 de Agosto de 2008 às 04:43
Quando leio o que escreves, gosto de ficar quieto , apenas, a pensar. Lindo! Beijinho.
De Sempre seriamente na boa a 31 de Agosto de 2008 às 00:14
Olá
Lindo...
A solidão, a velhice algo que creio todos receiam, por na realidade não dar prazer, mas que existe, sem duvida.
Beijinho
Lis
De Pi a 4 de Setembro de 2008 às 14:27
UAU!! Quase que me esqueci que há mundo lá fora, de tal forma que fiquei emboída no texto... Cada palavra envolveu-me completamente...sempre á espera do que vinha a seguir...

Adorei Carmo.

Beijinhos
De meldevespas a 4 de Setembro de 2008 às 14:41
A solidão é uma coisa assim mesmo....toma conta de nós e esquecemos-nos do resto.
Obrigada pela visita Miss Pi, i'm glad you like it ;D

zumbir

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Constelaçoes

O Sorriso do Parvo

Porque sim

O Cheiro da Chuva

Estória para adormecer .....

Na lama

Memórias de Vento

A solo

Sem fim

Estória para adormecer......

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

tags

todas as tags

online

links

Bee Weather

Click for Evora, Portugal Forecast Get your own free Blogoversary button!
Photobucket


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Vizzzzzzitas

Horazzzzzz

Tente adivinhar palavras relacionadas com a Matemática no Jogo da Forca:


Clique aqui


Custom T-Shirt Generator
blogs SAPO

subscrever feeds