Terça-feira, 28 de Julho de 2009

(in)quietação

 

 

Deixava-se encantar pela fragilidade das coisas. Prendia-se no mimo do pormenor.

Cantarolava uma canção de roda, envolta em atenções e vapores etéreos.

A colher de pau, deixava rastos em espiral no fundo da panela de cobre, rendida ao aroma forte do xarope de laranja alindado com um canudo de canela.

O ponto pretendido estava no exacto e irrepetível momento, uma calda fina e delicada, pronta para embeber o bolo fofo que arrefecia ali mesmo ao lado, e espalhava no ar um aroma a regresso. "é assim que deve cheirar o céu..." pensou semicerrando os olhos com deleite.

Desligou o bico do fogão, e a chama anilada extinguiu-se deixando uma pontada de vazio a pairar no colo de açúcar pilé.

Tirou um palito da caixinha de papel, e furou o bolo, meticulosamente e sem pressas. Como se daquela tarefa dependesse o caminho nocturno da sua vida. Quando terminou, pegou num pano de cozinha, tomou a panela de cobre bem polida, e verteu o xarope sobre toda a superfície do bolo. Espalhou o líquido brilhante, ainda morno com a ajuda da colher, e deixou-se ficar, ali encostada, os cotovelos a servir de apoio, o néctar a ser absorvido pela esponja doce do bolo.

A boca aguou-se-lhe de desejo...  Cobriu o doce com a rede protectora, correu as cortinas floridas, e com um sorriso satisfeito, saiu fechando a porta da cozinha atrás de si.

A salinha de estar, muda, amadurecia a tarde, envolta numa gaze fosca. Lá fora o dia exalava um semblante carregado..." Santa Bárbara, bendita, hoje não passa sem cair uma trovoada!"  ladainhou enquanto afastava as cortinas de organdi, para espreitar o astro.

Era cedo ainda... Sentou-se no sofá, ajeitou a saia, alisou o tecido, arreliavam-na os vincos.

Pegou no talego de linho ajurado, abriu os cordões de seda entrançados, e tirou lá de dentro o naperão de renda que tardava em terminar...as mãos pequenas e redondas pegaram na agulha de metal fino, afagou o trabalho executado, com o mesmo cuidado que punha em tudo o que fazia. Os dedos curtos e roliços, eram de veludo fino, sem a mais pequena mácula. Demorou-se naquela carícia impassível

Não tinha vontade. Guardou tudo de novo, no talego, com ordem e método. Inquietava-se. Às vezes nem se reconhecia, Tinha repentes que a assustavam. Sentia uma uma tontura que a deixava mole como pasta de açúcar.

Três batidas na porta interromperam a placidez da tarde.

 

... 

 

Caminhava num passo pastoso e arrastado, o ombro sempre a roçar a parede das casas da rua. Não procurava a sombra, apenas o contacto. A tarde estava macilenta como um velho doente, tomado por uma maleita mortal. Sentia o calor crescer-lhe no cocuruto destapado, e o suor a ensopar-lhe a roupa escura e pesada.

Caminhava sem pressas, o caminho sabia-o de cor, e a meta era certa como a morte. Ia sussurrando frases soltas, naquela mesma calma que punha no passo.

O fim da rua era já ali à frente, depois era só atravessar para o outro lado e fazer o caminho inverso, uma vez e outra, e outra... Desde há uns tempos, sempre a meio da tarde, àquela hora, nem mais um minuto, nem menos, fazia uma pausa. Descansava a inquietação e aplacava a imaginação prodigiosa que todos diziam ter.

O Profeta. Era assim que o conheciam nas redondezas, por culpa das suas palestras improvisadas sobre inflamadas previsões apocalipticas.

Nascera a melhor maçã do pomar, crescera forte e feliz, mas  as águas revoltas da adolescência assolaram as suas margens e deixaram à deriva o frágil equilíbrio próprio da idade. "Passou-se de todo! A pouca sorte dele foi a tropa, ai foi, parece que quando tirou as sortes conheceu pessoas estranhas, dizem que lá na recruta se entupia com cigarros daqueles..." diagnosticavam uns e outros, na senda do insondável. "Foram os livros, ah não tenham dúvidas, leu tanto que queimou o cérebro todo" atiravam certezas de barro.

Um relâmpago alumiou a tarde fechada. Acelerou o passo, chegou à frente da porta já curvado sobre si, as mãos a tapar os ouvidos. Com o pânico a comê-lo, desfechou três batidas urgentes, com o trinco de ferro forjado.

 

 

...

 

Vivia há dois anos na companhia opaca da solidão. A avó amanhecera pendurada numa corda grossa na viga de ferro da chaminé. Dois anos... numa manhã de um dia quente como o de hoje. A mesma viga onde noutros tempos os enchidos curavam ao sabor do fumo e do tempo. Não se despedira sequer. Fora no mesmo silêncio com que pontilhava os dias em companhia da neta. Não havia nada para dizer... Os pais deixaram-na aos cuidados da avó num sopro de alívio. Mal sabiam o que fazer com aquele ser estranho que Deus lhes dera " a criança tem um Deficit Cognitivo severo", informou o Dr. Marat, com a solenidade que a ocasião exigia. Tinham ficado ali, pasmados, de boca aberta, na posse daquelas palavras de malabarista " o que o Senhor Doutor quer dizer, é que a rapariga é atrasada, não é?"

Aprendeu a falar quando os outros aprendiam a escrever, e até hoje não sabe mais que meia dúzia de letras do alfabeto, e contar pelos dedos até dez.

Saía pouco da casa, era o seu reduto. Dentro daquelas quatro paredes, não havia risos de escárnio por causa da sua forma atabalhoada de falar. Aqui dentro desta caixa, o mundo é simpático, e só entra quem ela quer, como ele...

 

...

 

Levantou-se de um pulo, correu para a porta e abriu-a para deixar passar uma criatura ofegante. No mesmo instante o som gutural do primeiro trovão fez estremecer as vidas e os vidros das janelas. Ele afundou-se no sofá de napa enroscado como um animal acossado. As mãos a tremer abraçavam a cabeça, os olhos escancarados estampavam um terror genuíno e antigo e o corpo todo naquele mesmo frémito expelia gemidos aflitos.

Enquanto rezava Magnificas e invocava as graças de Stª Bárbara; corria estores, fechava portadas, corria cortinas, até que por fim um manto de negrume cobriu toda a sala, corrompido apenas pelos flashes eléctricos que entravam pelas frestas da porta da rua.

Ajoelhou ao lado do sofá "shh shh já vai passar, não te preocupes " alinhavou de forma confusa.


Ele latia de medo. Ela ardia em segredo.


Por fim o céu abriu-se em fitas grossas de chuva, e ruas e passeios deixaram-se galgar por correntezas fartas. O dia cedeu, e a noite cálida serenou os elementos e reconciliou o estio.

Acariciou-lhe a mão ainda encrespada, e sentiu aliviar-se a pressão. Ergueu-se devagar, ainda em guarda, olhou-a, tirou as mãos da cabeça, e depois sorriu-lhe. Ela acendeu-se " sabes o que fiz? Bolo. Bolo de laranja como tu gostas!" O sorriso abriu mostrando uma fileira de dentes mal tratados. "Então venha de lá o bolinho, venha de lá o bolinho, venha de lá...." e continuava até outra qualquer frase a destronar.

 

A ele não importava que ela mal soubesse falar. A ela não importava a alienação dele.

 

Lá fora a noite enchia-se de frescor e estrelas, dentro da casinha do meio da rua, a rapariga enchia-se de vida e o rapaz de razão.

Em êxtase, ela ouvia-o profetizar as maravilhas do fim do mundo, e o coração crescia ao sabor do bolo de laranja...

 

Imagem by DeviantArt

 

 

sinto-me:
tags:
Original Zumbido por meldevespas às 10:33
link do post | zumbir | favorito
|
5 comentários:
De Gingerbread Girl a 28 de Julho de 2009 às 12:30
Ao fim do 5º parágrafo, já eu estava aqui a salivar que eu sei lá!!! Agora apetece-me bolo de laranja! Achas bem? :s
Está tão bem descrito que até lhe sinto o cheiro. O CHEIRO!

Pronto, e agora vou dizer as coisas do costume... escreves que é uma delicia! Adoro os detalhes e os ares do campo.

Quanto ao conto em si... que história agridoce!
Fiquei com aquela sensação "bem, ao menos não se estragam duas famílias!"

=p

Beijinhozzzzzzzz*
De Zangão Mor a 3 de Agosto de 2009 às 12:28
Xiiiiii abelhinha obreira!
Estás aqui, tens a colmeia pronta para "crestar" o mel...
Eu bem te digo...com tantos elogios ainda tens que publicar estes teus contos.
parabéns mulherzinha linda e amor meu
De meldevespas a 3 de Agosto de 2009 às 12:31
Obrigadaaaaa
tu já viste! tenho a casa cheia de gente!!!
Beijos e agraços e ferroadas no cachaço!
Luvyou muito;D
De leonoreta a 3 de Agosto de 2009 às 13:31
olá (ainda não sei o teu nome)
obrigado pela tua visita
hoje postei novamente e ao abrir a página do sapo reparei que o teu blog estava em destaque novamente. parabéns.
beijinhos
De leonoreta a 3 de Agosto de 2009 às 15:27
a minha mae e maria do carmo, rsss

zumbir

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Constelaçoes

O Sorriso do Parvo

Porque sim

O Cheiro da Chuva

Estória para adormecer .....

Na lama

Memórias de Vento

A solo

Sem fim

Estória para adormecer......

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

tags

todas as tags

online

links

Bee Weather

Click for Evora, Portugal Forecast Get your own free Blogoversary button!
Photobucket


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Vizzzzzzitas

Horazzzzzz

Tente adivinhar palavras relacionadas com a Matemática no Jogo da Forca:


Clique aqui


Custom T-Shirt Generator
blogs SAPO

subscrever feeds