Quinta-feira, 22 de Julho de 2010

A solo

A

A rapariguinha olhava a margem da baia. Despreocupada, as mãos bem enterradas na areia molhada abriam e fechavam como que a tomar o pulso á calmaria da manhã. Apesar de Setembro já bem entrado, o mar estava quieto, acomodado na cacimba que a madrugada destilara no sono.

Havia pouca gente na praia. Os veraneantes escolhiam preferencialmente o mês de Agosto, mais quente. Eles iam sempre no final do Verão. Era mais económico. Família grande, cinco filhos. Virou-se para trás por um momento. Os outros continuavam na conversa em frente do toldo riscado, que alugavam à quinzena. A mãe lia uma revista dessas que falam da vida das pessoas da televisão, alheada do grupo. Os dois irmãos mais novos, iam alimentando as quezílias do costume, enquanto os mais velhos faziam planos com o pai para uma caminhada até à foz do rio que desaguava na baia.

Eram quase 10 da manhã, e a ansiedade tomava conta dela. Levantou-se e desceu um pouco, até à rebentação. As ondas vinham suaves, sem pressas. Recuou quando sentiu a água gelada. Ali a água era sempre tão fria. Abraçou-se num arrepio. Ajeitou a alça do fato de banho branco de algodão turco, com pequenas ancoras bordadas em azul marinho. A julgar pelos elásticos lassos, podia ver-se que  tinha pulado gerações até chegar ao corpo seco e bronzeado da rapariga.

Finalmente avistou a mulher dos bolos. Esta era diferente de outras que faziam ali a praia da Vila. Caminhava calada. Uma trouxa de pano no cimo da cabeça, e apoiada nela a caixa de metal polido com três gavetas.

Fez sinal com o braço no ar. Correu até ao toldo e voltou com uma moeda na mão. A mulher ajoelhou na areia, tirou a caixa e pousou-a em frente da rapariga. Abriu as gavetas, uma a uma, diante dos olhos esbugalhados. Sentiu a língua explodir em milhares de gotas de água. Era todas as manhãs a mesma coisa. A indecisão. O cheiro era uma coisa do outro mundo. Aquele contentor de alumínio, era o portador de toda a felicidade do mundo. As bolas de Berlim, roliças, envoltas em dulcíssimo granulado e cheias de creme de ovos, os pasteis de nata, de massa crocante e creme tostadinho com um toque de canela. hummm, cerrou os olhos. Optou por uma almofada de pão doce recheada de chantilly, polvilhada de pó de açúcar e fios de ovos.

Se tudo fosse tão simples como aqueles momentos. A mãe dizia que ela era estranha, o pai achava que ela era apenas diferente dos outros filhos. Os irmãos passavam a vida a chamar-lhe anormal. Se ao menos a deixassem em paz, como agora. Se pudesse, comia daqueles bolos o dia inteiro, e depois nadava até lhe doer o corpo todo, e os lábios ficarem roxos. E depois dormia. E não precisava de dizer nada. Afinal as pessoas falam porquê? Lambeu o último bocadinho de chantilly do canto da boca, e chupou os dedos um por um. Os irmãos por exemplo, só diziam parvoíces. Correu até ao toldo, agarrou um balde plástico encarnado, e foi apanhar conchas.

 

Verificou a casa de banho. Nada. Tinha guardado tudo. Apanhou os pequenos sabonetes, os frasquinhos redondos com shampoo e gel de banho. Abriu o necessaire e deitou tudo lá pra dentro.

Verificou só mais uma vez o roupeiro, e espreitou pra baixo da cama. Parece que não tinha esquecido mesmo nada. Riu-se de si mesma. Que estupidez. Tinha alugado o quarto só por essa tarde. Nem sequer tinha trazido mais nada além da pequena mala com os produtos de higiene. O recepcionista tinha levantado a sobrancelha ligeiramente, quando ouviu que era só para a tarde. Deve ter pensado em encontros escaldantes, estórias de amantes e traições. Redondo engano. Era apenas um rendez-vous com ela mesma. Tinha poucas oportunidades para o fazer. Estar sozinha. Crescer e viver numa casa cheia de gente tinha facilitado o recato do seu ser. Andava sempre toda a gente ocupada com alguma coisa, era portanto mais fácil estar só. No meio da confusão do entra e sai de gente, sentia-se muitas vezes felizmente invisível. Depois mudou tudo. O pai saiu de casa a salivar atrás de uma rapariga esperta com metade da idade dele, que o fez comer o pão que o diabo amassou e depois lhe pôs um valente par de cornos com outro qualquer parvalhão de meia idade e bom emprego. Não voltou mais pra casa, até porque a altivez da mãe jamais o permitiria. Os irmãos mais novos foram estudar pra fora, num desses intercâmbios universitários. A irmã, a mais velha dos cinco, ía insistentemente no terceiro casamento. Além de estúpida era uma romântica desconcertante, e o drama era a vida dela. O irmão mais velho seguira rumos errantes. Um aventureiro, sem casa, sem laços, e ao que parece sem raízes. Havia já mais de quatro anos que não havia notícias dele. A ausência de vida na casa de família foi o gatilho que disparou e lhe encheu a existência de ruídos impossíveis. A mãe estava mais que morta naquele deambular oco de sala em sala. Arrumava os quartos para os filhos que nunca vinham. Limpava o que estava limpo, dia após dia. Tinha-se tornado penoso viver aquela vida em que era agora visivel. Todos os movimentos detectados pelo radar da mãe, todos os passos contados. Não sabia conviver com a visibilidade da sua pessoa. Depois da casa se esvaziar ela procurou refugio nestas escapadas Hotéis, residenciais, pensões. Umas horas de silêncio a soldo. Estendia-se na cama, fechava os olhos. Normalmente não era difícil encontrar-se. Sorria no reencontro. Mesmo depois dos trinta, mesmo depois do curso, depois de um namorado, um estranho que se dava ares de intelectual, e a achava esquisita. Mesmo agora, não se sentia muito diferente de quando era miúda. Sem compromissos, horários, pessoas, conversas. Cada vez achava as palavras mais dispensáveis. Uma vez, não muito longe, tinha chegado a ponderar silenciar para sempre este seu ser insatisfeito, incompleto. Mas teve medo. E se no momento exacto chamar por companhia. E se me apetecer falar. E se a dor, aquele momento de dor que antecede o fim, não me deixar partir sozinha. Desistiu. Fechou a porta atrás de si e voltou pra casa.

 

 

C

Apertou as mãos uma contra a outra. A igreja estava quase vazia. Era a hora da sesta, e Agosto tinha chegado numa baforada de calor africano. Ali dentro estava fresco. E havia um silêncio redentor. Não queria rezar. Uma mulher velha e curvada varria o acesso à sacristia. Um lenço negro na cabeça, atado por baixo do queixo num nó firme. Não conseguiu evitar uma pontada de pena. A velha tinha umas mãos tristes, cheias de nós. Conhecia-a de vista. De toda a vida. Tinha chegado há muitos anos, já enlutada, o lenço, o nó firme. Ninguém sabia de onde tinha vindo, quem tinha perdido. Era uma mulher soturna. Sempre metida consigo mesma. Calada. Quando passava na rua, deixava um rasto de prantos no coração das pessoas. Olhou as suas próprias mãos. Seriam também mãos tristes? Estavam cheias de nós. A idade tinha avançado sem clemência. Tinha-a povoado de recordações. Estava cheia de gente, de gente que falava. Há uns anos começara a entrar naquela igreja, todos os dias, logo depois do almoço. Não rezava. Não era companhia que procurava. Era o silêncio. Em sinal de respeito, à entrada do templo, todo aquele burburinho de gente cessava. Nunca fora amante de palavras, e pra falar verdade, nunca gostara muito de pessoas. Parecia-lhe um pouco ridículo, mas aquela velha amortalhada de negro, curvada, de mão tristes inquietava-a. Seria assim o silêncio perfeito? Não queria rezar, eram palavras e as palavras eram supérfluas.

sinto-me:
Original Zumbido por meldevespas às 14:36
link do post | zumbir | favorito
|
11 comentários:
De Pinguim a 23 de Julho de 2010 às 01:39
Três vidas, três solidões e infelizmente quase três conformismos.
De elmatador72@gmail.com a 23 de Julho de 2010 às 09:35
Um post tripartido. Gostei.
De meldevespas a 26 de Julho de 2010 às 09:31
Obrigada :D
Beijo
De meldevespas a 26 de Julho de 2010 às 09:31
Ou uma mesma vida. Vivida a gosto na solidão, até um dia...
Beijinho
De joão a 24 de Julho de 2010 às 23:54
Pode não ser uma história tripartida e ser apenas a descrição de três faces da mesma pessoa, que anda com a família e casa e tudo atrás, que quer privacidade, que observa os outros... mas eu não gosto de bolas de berlim nem percebo a cena de levarem essas coisas com creme no pico do verão para a praia... nunca percebi... e por isso abstenho-mde quaisquer interpretações para além desta.
De meldevespas a 26 de Julho de 2010 às 09:33
Não carece de interpretação, Jóni.
Só de leitura, e já tá!
Agora isso de n gostares de bolas de berlim na praia...n me parece muito bem...
Beijinho
De Gingerbread Girl a 25 de Julho de 2010 às 13:51
Para mim são sempre a mesma mulher, em três estados diferentes da vida. Infelizmente sempre só, apesar rodeada de muita gente. Será a triste história de muitos...


bjinhosssss***
De meldevespas a 26 de Julho de 2010 às 09:34
A mesma mulher, sim.
Mas só por opção. Sempre, até ao dia em que a solidão de outro lhe bate e a inquieta.
Beijo grande
De Mary Brown a 27 de Julho de 2010 às 21:11
Três histórias, três vidas da solidão. A solidão nem sempre é má. Eu gosto de estar só, cheguei a fazer férias só, por opção e foi nelas que encontrei muitas respostas. Almofadas, que delicia!!! Há tanto tempo que não como uma. Velhos fugirem com garotas, o prato do dia, trocados por outro com mais dinheiro....Há aqui, nestas histórias, uma transcrição da realidade de muita gente que se perde, ou se encontra, na solidão. Mel agora vamos falar de selos, há lá mais um. Beijinhos
De meldevespas a 28 de Julho de 2010 às 09:32
Esta também é uma solidão dessas , por gosto, por opção, neste caso até por capricho.
(Também tenho saudades de trincar uma almofadinha)
(já vou lá espreitar o selo, e desde já muitóbrigada ;D)
Beijo
De Mary Brown a 28 de Julho de 2010 às 09:48
Mel olha que tens mais que um. Tens na "força da amizade" e na "Singularidade de Pedrasnuas" Beijinhos

zumbir

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Constelaçoes

O Sorriso do Parvo

Porque sim

O Cheiro da Chuva

Estória para adormecer .....

Na lama

Memórias de Vento

A solo

Sem fim

Estória para adormecer......

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

tags

todas as tags

online

links

Bee Weather

Click for Evora, Portugal Forecast Get your own free Blogoversary button!
Photobucket


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Vizzzzzzitas

Horazzzzzz

Tente adivinhar palavras relacionadas com a Matemática no Jogo da Forca:


Clique aqui


Custom T-Shirt Generator
blogs SAPO

subscrever feeds