Quinta-feira, 7 de Abril de 2011

Constelaçoes

I

 

António era pastor. Rapaz alto e seco como o sol de Agosto, mas robusto como as rochas onde descansava das noites perdidas. António era pastor, mas conhecia de cor, todos os carreiros de estrelas que o céu brandia, e todas as constelações de insectos que com ele partilhavam espaços. As noites eram de descoberta para ele, a escuridão da planície era uma aventura renovada a cada pôr-do-sol. Colava os olhos no infinito dos céus, e baptizava pontinhos que só ele via, com nomes que só ele sabia, que tinham estórias que só ele podia contar. E contava. Contava estrelas e contava estórias todas as noites. Discursava para um público de cornos e olhos vazios, que ruminava de mansinho o pasto sem fim. E sonhava com alguém que o ouvisse, e questionasse, com alguém que o pusesse à prova, que olhasse embevecido para as suas estrelas, como ele olhava... Mas a Tidinha não era assim.


II

 

Matilde, Tidinha pelo amor de uma mãe solteira de muitos homens, era bordadeira. Rapariga bonita, vaidosa. Corava ao sentir queimar nela o olhar dum macho, mas deixava sempre uma réstia de sorriso no caminho, como uma promessa que fica à espera de ser paga. Tidinha era bordadeira. Os dedos picados denunciavam a falta de virtuosismo para o assunto, e o olhar sempre preso entre o sonho e a vida, não se detinha no bastidor por mais que um ponto de cada vez. Sonhava com o António, os braços do António, o peito do António, as noites fugidas pelo meio, quando o povo todo respirava mais devagar, as noites salgadas do suor do corpo do António a cobrir o seu... As vontades que lhe subiam pelas pernas acima, quando o via, quando o ouvia falar de coisas que ela nem fazia ideia. não fazia ideia, nem queria fazer. Ela queria o António, ali, no pasto, deitado com ela, a dizer-lhe segredos que a espicaçavam ainda mais.... A Tidinha amava o António. O Manel também.


III

 

O Manel era caixeiro. Trabalhava na loja da Praça. Fazia embrulhos como quem borda quimeras. Vendia bons dias, e sorrisos francos a troco de escárnio e desconfiança. O Manel era delicado como as primeiras chuvas de Outono, andava no mundo ao avesso dos outros, e lia nos livros sobre as estrelas do António. Lia sobre a estrelas e chegava assim, pertinho do calor do outro. Esperava com o peito em ventanias, os dias que o António vinha à vila e deixava as cabras aos olhos do pai. Nesses dias até o Manel enchia a coragem e bebia uma ou duas cerveja com os homens na tasca. E no meio deles, era certo ganhar um toque furtivo. Uma palmada nas costas, um aperto de mão... às vezes até uma palavra que agarrava com as duas mão e guardava dentro para ouvir à noite. E depois, já cheio do amargo do álcool e dos risos, ficava lá fora, encostado à esquina, a ver o António e a Tidinha fugirem para o pasto, a brincar com o fogo dos corpos. O Manel ficava só. A olhar as estrelas do António, a decorar-lhe a voz, o corpo a soluçar por perder o que nunca teve. O Manel vivia como quem morre, e numa dessas noites cheias do vazio que a partida do António deixava nele, desejou ser uma estrela.

 

Originalmente publicado neste blog em 31 Agosto 2007

 


Original Zumbido por meldevespas às 15:41
link do post | zumbir | favorito
|
22 comentários:
De Eva Gonçalves a 7 de Abril de 2011 às 17:21
Gostei bastante desta história, que retrata tão bem a forma como andamos muitas vezes desencontrados... procuramos o que está à nossa frente e não vemos, suspiramos por quem nem nos vê, imaginamos o outro como nós, ignorando como é de facto... amamos quem ama outro... somos amados por quem não queremos de todo... :)Beijinhos de quem voltou para ficar!
De meldevespas a 7 de Abril de 2011 às 17:32
Um regresso ´´e sempre um feito a celebrar, especialmente de uma pessoa como tu, com tanta aptencia para a comunicaçao e para a escrita. Gostei q tivesses dado um pulinho ate ca. Beijinhos e obrigada
De sandra a 10 de Abril de 2011 às 04:01
A ternura é um momento muito especial entre as pessoas.
Lindo o texto. a interação de Amigos tbém está participando.
http://sandrarandrade7.blogspot.com/
São momentos que tracamos as ideias..
Um grande abraço,
Sandra
De Pinguim a 7 de Abril de 2011 às 17:47
Adorei este teu texto.
E acho uma coincidência teres publicado esta história na mesma altura em que deixei no meu blog uma postagem, que não sendo, obviamente sobre o mesmo assunto, tem bastantes pontos comuns.
De meldevespas a 8 de Abril de 2011 às 09:42
vou ja ja ver o que la deixaste :DD
este texto como podes ver ja tem uns aninhos, mas tenho muita ternura por ele, dai que me lembrei de fazer a re-postagem.
Beijo grande
De Briseis a 13 de Abril de 2011 às 11:25
Gostei tanto, tanto...! São pessoas extraordinárias, as que criaste. E que linda a forma como escolheste apresentá-las e narrar a sua história! Alguma vez leste Pina de Morais? Escritor duriense, ele escrevia de forma semelhante... =)
De meldevespas a 13 de Abril de 2011 às 15:02
Muito obrigada :D
Nunca li Pina de Morais, mas ainda assim fico babada.
Beijo
De Bento a 15 de Abril de 2011 às 00:37
Gosto do ritmo em crescendo, do entrelaçar das histórias no conjuno final do texto. Gosto do tom da narrativa numa escrita , definiitivamente , consolidada e que nos traz excelentes surpresas de post para post...
De meldevespas a 18 de Abril de 2011 às 10:41
Obrigada Bento, ´´e sempre um prazer receb^^e-lo aqui. Beijo.
De José a 15 de Abril de 2011 às 11:35
Um triângulo "desamoroso"!
Estrelas estreladas e um Manel "estatelado". Caidinho de amores, vivendo no mundo das estrelas, de muitas luas, de poucas ruas percorridas, de campos de macela amarelada,
cama de amores olhando estrelas.
E o Manel... olhando traves, contava carneirinhos, contava adormecer num campo de estrelas e ter a ventura da Tidinha: - Ser picada de vez em quando, não pela agulhina de bordados, mas seta cupidal bordando a sangue o seu corpo, com chagas de amor carente.
E o António... sempre ausente!
De Catsone a 16 de Abril de 2011 às 23:02
Mel, sem querer exagerar, mas já há algum tempo em que não lia algo que me desse tanto prazer. Fiquei verdadeiramente impressionado com este pedaço de literatura tão terna e "escarniosa" ao mesmo tempo. Sem palavras.
Bj.
De meldevespas a 18 de Abril de 2011 às 10:43
Cat, e eu fiquei verdadeiramente babada :DD
Obrigada e beijo grande
De meldevespas a 18 de Abril de 2011 às 10:42
O seu comentario por si so ´´e ja pura poesia!!!
Caramba :DDD
Beijinhos e muito obrigada
De João a 18 de Abril de 2011 às 22:27
Apesar de já ter isto aqui há muito tempo por ler, espero que o meu comentário ainda seja aceite.

Ainda por cima, só para dizer que eu também gostei.

Tá dito.

... Mas não quer dizer que o Manel fosse o certo para o António. Podia não ser, mas o que mais há na vida são pessoas a suspirar por outras... inconsequentemente. Resta-lhes a esperança, como uma luz que os encaminha e sustém.
De meldevespas a 20 de Abril de 2011 às 15:02
xa ca ver.....hummmmm aceito, ok!
E sim a vida esta cheia de encontros e desencontros bla bla bla
beijo
De Anónimo a 21 de Abril de 2011 às 20:49
Como sempre, adoro o que escreve.

Muito ternurento!
De meldevespas a 26 de Abril de 2011 às 11:21
Muito obrigada quem quer que sejas ;D
De soninha a 26 de Abril de 2011 às 06:27
Muito show!Muitos aplausos.bjs
De meldevespas a 26 de Abril de 2011 às 11:21
aplausos e tudo?eheheh
Obrigada Soninha e beijinhos
De Brown Eyes a 10 de Novembro de 2011 às 00:08
Garota voltarei. Beijinhos
De Brown Eyes a 10 de Novembro de 2011 às 18:30
Que se estará a passar nesta blogsfera? Todo o pessoal que conheci no meu inicio está a afastar-se? Vamos lá minha Linda actualizar isto. Adorei e esta frase, O Manel vivia como quem morre, resume o vida do Manuel. Beijinhos
De Brown Eyes a 27 de Junho de 2012 às 22:39
Como me escapou esta? Excelente mais uma vez. Beijinhos


Não consigo acertar nestas letras. Se calhar este comentário nunca te vai chegar.

zumbir

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Constelaçoes

O Sorriso do Parvo

Porque sim

O Cheiro da Chuva

Estória para adormecer .....

Na lama

Memórias de Vento

A solo

Sem fim

Estória para adormecer......

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

tags

todas as tags

online

links

Bee Weather

Click for Evora, Portugal Forecast Get your own free Blogoversary button!
Photobucket


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Vizzzzzzitas

Horazzzzzz

Tente adivinhar palavras relacionadas com a Matemática no Jogo da Forca:


Clique aqui


Custom T-Shirt Generator
blogs SAPO

subscrever feeds