Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2007

Pim Pam Pum está a crescer!!!

 I

Já estão dois a abanar

outros mais lhes seguirão

parece que estão a dançar

ao som da mesma canção

 II

-Mãe, olha! estou a crescer

o meu dente vai cair!

Vou ficar envergonhada

quando o sol me vir sorrir!

III 

-Vai valer o teu sorriso

Isto que te vou contar:

Também o sol, já teve

um dentinho a abanar!

IV 

Era ainda pequenino

Cabia na tua mão

Mais parecia um pirilampo

Mal aquecia no Verão!

 V

Agora que já cresceu

Tem um sorriso brilhante

A lavar bem os dentinhos

Ficas como ele num instante!

 

 

 

 Ilustrado por Pim Pam Pum

 

sinto-me:
tags: , ,
Original Zumbido por meldevespas às 17:04
link do post | zumbir | zumbidos (12) | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

Raízes

Eram três raízes fortes.

Frutos de sementes vulgares, mas sãs e escorreitas.

Eram três raízes, que fermentaram no colo de uma mãe viúva de traços firmes e plácidos, e germinaram num dia de Primavera com o nascer de uma manhã qualquer.

Tinham membros malhados como ferro, forjados na tempra de uma fornalha acesa em brasa. Estavam na terra, como a terra estava nelas, Eram da terra numa pertença sem reservas ou limites, eram e isso bastava.

A viúva que as deitou ao mundo, cansava os braços com os filhos dos senhores, e caiam-lhe os seios de tristeza pelo leite derramado na boca de outras crias que não as suas. Tinha olhos de sal, que às vezes não se fechavam, porque não se podiam fechar, e davam-lhe um ar de estátua. Uma estátua numa praceta de segunda que ninguém olha, pela razão simples de que não há ninguém para olhar. A mãe viúva, tinha os nós dos dedos gretados do frio do pão amassado noites dentro para mesas de outras casas. Ela não tinha casa, nem mesas, nem tampouco pão, só três raízes fortes metidas na terra, de pés sujos e duros que sorriam com a alma toda quando a tarde do dia a seguir trazia embrulhadas num pano grosso, as côdeas do pão dessa manhã.

Codeas , maçãs tocadas com nódoas negras que alastravam mais depressa dentro dos bolsos, escondidas dos olhares famintos de raízes fracas e folhas caídas longe do Outono; raspas dos bolos de torresmo assados no forno do pastor, árvore nobre de tronco rugoso e ramos quietos.

Aquietavam o clamor do estomago com restos de nada, e brincavam de mangas arregaçadas e calções cortados pelos joelho e atados à cinta com duas voltas de cordel.

Eram amados na sombra dos filhos ricos que não eram da sua mãe. Espreitavam do alto do muro as mãos gretadas a pentear cabelos de ondas loiras, e fingiam ser eles, quem estava ali à mercê da doçura daquelas mãos de que só conheciam o cheiro.

Mas os seus cabelos eram negros, e atrevidos, espetados e sujos, e as mãos estavam longe. Acariciavam cabeças douradas, faziam-no com carinho e desmedida dor.

As raízes tomaram conta do seu pequeno mundo, e fizeram dele um lugar fertil para se viver.

Cresceram e multiplicaram-se, ficaram mais fortes a cada pedaço partilhado de amor em forma de pão bolorento. Abraçaram palmos e palmos de terra, sempre na busca, sempre a fossar o cheiro a óleo de amendoas doces que a mãe trazia nos dedos àsperos, o cheiro arrancado a aneis louros incandescentes.

 Um dia a mãe viúva fechou os olhos de sal, e não mais os abriu. Nunca mais trouxe côdeas , ou frutas passadas, as mãos mornas, arrefeceram num repente e perderam o cheiro.

E as raízes encolheram-se de dor, calaram gemidos, perderam sorrisos abertos e ganharam um par de olhos de sal para cada uma delas.

As poças de lama, já não eram oceanos sonhados de praias quentes e azuis, e os olhos de sal viam agora apenas poças lamacentas feias, frias e vazias de interesse.

A terra toda encheu-se de raízes novas, e as três raízes fortes sulcavam vales com gretas nos nós dos dedos, e voltavam de rastos com pedaços de pão de ontem e restos de bolos resgatados do lixo das padarias. E havia sorrisos de mangas arregaçadas que esperavam com os olhos cheios de sono, as mãos sedentas de toques e as barrigas cheias de fome.

Aos poucos os olhos de sal que tanto tempo permaneceram abertos, escancarados de fé, e tantas vezes (muitas mais vezes) de desespero, fechavam-se.

Uma a uma, as três raízes fortes foram perdendo o viço, os olhos foram ganhando a paz.

Os olhos de sal e a busca de pão foram passando de raíz em raíz, até hoje.

Os meus olhos salgados já mal se fecham.

Três raízes fortes esperam as minhas mãos.

sinto-me:
Original Zumbido por meldevespas às 01:05
link do post | zumbir | zumbidos (8) | favorito
|
Terça-feira, 7 de Agosto de 2007

As Vinhas da Ira

Acabei a minha re-leitura deste livro.

Há uns anos largos quando o li, na plenitude da minha adolescência, quando tudo é uma luta para se travar;  achei-o....grande!!!! Acho que é a palavra mais certa: grande! O Exodo de um povo, a luta de uma geração, pelo trabalho, pela terra, pelo pão, pela justiça, pela igualdade.

Todas as lutas que ainda e sempre fazem rodar esta esfera.

Hoje, descobri outras cores nas palavras de John Steinbeck.

Os anos passaram (mais impiedosos por mim do que pelo livro), e apesar de tudo o que disse  atrás não ter perdido o sentido,  outros valores se levantam agora em frente dos meus olhos.

O sentido de familia, aparece sempre como o fio de prumo de toda a narrativa, e a luta primeira é a batalha, tantas vezes perdida pela união, a tal união que faz a força.

É um livro escrito por um homem, que consegue colocar em destaque a sensibilidade feminina, e a natureza primária, quase animal até, de uma mãe na protecção das suas crias.

Lindo e duro como a vida é.

 

"-Nada disso-argumentou a mãe, sorrindo- Não é não, pai. E isto é mais uma das coisas de que uma mulher tem a certeza. Já reparei nisso. O homem vive como se desse saltos...nasce uma criança e morre um homem, e é como se fosse um salto; arranja uma territa; perde a territa, e é outro salto. Para a mulher tudo corre sem parar, como um rio cheio de remoinhos e de cascatas, mas correndo sem parar. É assim que a mulher encara a vida. A gente não morre, a gente continua...muda, talvez, um pouco, mas continua sempre firme"

 

 

sinto-me:
Original Zumbido por meldevespas às 15:23
link do post | zumbir | zumbidos (5) | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Pim Pam Pum está a cresce...

Raízes

As Vinhas da Ira

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

tags

todas as tags

online

links

Bee Weather

Click for Evora, Portugal Forecast Get your own free Blogoversary button!
Photobucket


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Vizzzzzzitas

Horazzzzzz

Tente adivinhar palavras relacionadas com a Matemática no Jogo da Forca:


Clique aqui


Custom T-Shirt Generator
blogs SAPO

subscrever feeds