Quarta-feira, 29 de Abril de 2009

Dias a fio

 

 

Por esses dias, a morte andava no ar.

Como remelas em olhos de crianças doentes, pegava-se a tudo sem pudores.

Nas casas desertas não moravam agora mais que recordações vagas de vidas passadas em suspiros breves.

Pelas ruas ecoava um soão soturno e atrevido, que se insinuava pelas frestas de portas e janelas, e irrompia em explosões de pó que se elevavam das chaminés estéreis.

No Beco da Cova, mesmo ao virar da esquina, encravada entre as raízes encarquilhadas de uma mimosa, e as paredes altas do Palacete abandonado dos Fidalguinhos, ficava a casa da Velha Justina.

A Velha contava, se soubesse contar, mais de 100 anos. Movia-se em sinuosos círculos, como uma assombração, do seu eu passado. As costas curvadas, o queixo a poucos centímetros dos joelhos, os dedos das mãos deformados pela descalcificação da alma ausente há muito. Arrastava os pés nodosos e antigos pelo chão  ladrilhado de barro vermelho. O lume na soleira da chaminé, era a única companhia da velha. Os restos dos lenhos secos trazidos pelo Vespertino no princípio do Inverno, estalavam ateando labaredas vivas.

Estranhava a estadia prolongada nesta dimensão. Estranhava a forma como as lembranças se lhe iluminavam. Agora mais que antes, agora mais que nunca. Lembrava-se de coisas sem sentido... e no entanto, esquecia-se de quem era, não poucas vezes.

Lembrava-se dos olhos espertos do marido. Dos modos ladinos que tinha de a namorar, mesmo nos tempos mais duros...e depois, na cegueira do cair da noite, fechava os olhos e via-o no seu melhor fato de tyrilene, comprado ao Paco contrabandista... as mãos postas em descanso sobre o peito. As maçãs do rosto salientes da pele cinzenta . . .os olhos sem ninguém caídos no fundo de duas covas escuras..

Falava, enquanto se movia naquele rodopiar arrastado, sem fim... era mais um murmurejar, um ruído de fundo, uma prece em ladainha, que se renovava a cada rumor de vento. - Pai! Filho! Espírito Santo! qual de vós se esqueceu de mim nesta cova rasa de silêncios ruins! 

Já não chorava. O caudal fértil tinha secado, nada mais restava da bonança de outrora...apenas a pele árida, gretada, quase morta...

Porque andava Ela a imiscuir-se na vida de uns e de outros, e resistia teimosa a todos os seus chamamentos ?

Anda no ar Ti Justina, anda no ar! - dizia num gemido surdo a Maria Adelina.

Anda nada - ripostava a velha da janela do quarto de dormir - se andasse no ar já tinha entrado por estes buracos que tenho em mim, onde entra tudo quanto é dor... menos essa magana, que não tem dó desta sombra eterna.

Maria Adelina benzia-se em ânsias, e fugia às pressas, deixando atrás de si um cheiro a nêsperas azedas caídas da árvore em dias de trovoadas de Agosto.

A vida era uma erva daninha. A morte uma carícia que tardava.

O lume de chão, ardia em estalidos.A velha enchia de água uma cafeteira esmaltada, e encostava-a estrategicamente às brasas matutinas. Juntava o pó de café, e acocorada na cadeira baixa fundilhada a buinho, esperava o fervilhar do liquido. Assistia com pormenor a todos os pequenos movimentos dentro da cafeteira. No momento exacto em que a ebulição começava, e o café ameaçava transbordar, a Velha munida de uma tenaz de ferro fundido, apanhava uma brasa, e deitava-a com saber para dentro do liquido. Depois com o pé, arredava a cafeteira. Ali, era o único lugar do seu dia que lhe despertava um sorriso franco, tímido, mas franco.

Cerrava os olhos pesados, e inspirava com uma força escondida para a ocasião, o aroma forte do café acabado de fazer.

- Bem podias vir agora - conjurava baixinho, enquanto beberricava o liquido escuro - não sei o que ainda esperas...

As mãos envolviam a caneca de loiça pintada. Não havia tremores, só uma tristeza que cobria as paredes da casa, e escorria por baixo da porta até à raiz da mimosa.

O vento passou por ali, manso e calado. Fez ranger portas e batentes, e farto de desígnios vãos, deixou um rasto de Maio por toda a parte.

  

 Imagem by Deviantart

sinto-me:
tags: , ,
Original Zumbido por meldevespas às 10:03
link do post | zumbir | zumbidos (5) | favorito
|
Terça-feira, 28 de Agosto de 2007

Cumprir Caminhos

Quando finalmente o sol despejou um jorro de claridade na escuridão da noite, já a rapariga percorria há muito, os caminhos. Calcorreava veredas, investia matagais, cumpria pedaços de chão, como quem morde côdeas de pão duro. Como quem morde a vida por vingança.

- Estava ao alcance da mão...mesmo, mesmo aqui... e agora tenho que acelerar o passo..não posso fraquejar!. Não agora!

Pedras pequenas e finas como dentes de leite, vermelhavam à sua passagem, e o que estava morto e seco, levantava-se de jubilo pelas suas feridas.

- Parava só um bocadinho...se pudesse.....mas não posso...se parar agora..é o fim..e eu não quero que o fim seja isto, assim, no meio do nada, só embalada pelo resfolegar das cobras nestas pedras tristes....

O fim de um caminho, era sempre o começo de outro, e, depois de uma vereda estreita, vinha sempre outra ainda mais estreita, e os espinhos do mato, feriam cada vez mais fundo, as suas pernas, e os dentes de leite no chão, erguiam-se a cada sopro de vento, mais alto, e eram já presas de um qualquer carnívoro no recobro de um parto...e o caminho só cumpria o dia a seguir à noite, e a noite a seguir ao dia, numa sucessão desoladora de sol e de lua.

- Ardem-me já os olhos, e o peito...arde-me tanto o peito...é o desejo que arde que eu sei que é...mas já falta pouco...

Mil noites e mil dias depois, os caminhos acalmaram, as veredas amansaram,  o mato descansou, e a rapariga podia até respirar fundo e deixar cair o cansaço de promessas cumpridas....mas o peito ardia ainda e cada vez mais fundo.

É um fogo posto pelo andar desvairado de mil dias e mil noites.

- Podes parar de queimar? Só um bocadinho, pra eu respirar fundo. Agora que cheguei à vida, queres matar-me na fogueira? Fogo cego! Na fogueira já tu me mataste antes, nesses caminhos sem fim! 

O rapaz estava lá sentado.

Sentado, como quem espera a paz no mundo.

O rapaz era todo de água, e sorria com um sorriso antigo tingido de azul.

A rapariga correu para ele e o rapaz abriu os braços,  os dois aplacaram fogos, e juntos desaguaram no mar.

sinto-me:
tags: , ,
Original Zumbido por meldevespas às 12:32
link do post | zumbir | zumbidos (7) | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Dias a fio

Cumprir Caminhos

arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Janeiro 2007

Julho 2006

tags

todas as tags

online

links

Bee Weather

Click for Evora, Portugal Forecast Get your own free Blogoversary button!
Photobucket


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Vizzzzzzitas

Horazzzzzz

Tente adivinhar palavras relacionadas com a Matemática no Jogo da Forca:


Clique aqui


Custom T-Shirt Generator
blogs SAPO

subscrever feeds